Lady Gaga, quem te viu, quem te vê!

Em 28 de março em 1986, nasceu em Nova York Stefani Joanne Angelina Germanotta, de ascendência italiana.

No período de 2003 a 2007, Germanottta fez de tudo: foi compositora para artistas, cantora, produtora musical, coreógrafa, dançarina, multi-instrumentista e atriz, apresentando-se, também, em casas de shows nova-iorquinas. Com muita determinação e vislumbrando um futuro promissor, matriculou-se em uma renomada escola de artes da Universidade de Nova York. E é de lá que sua carreira começa a decolar.

Influenciada por verdadeiros ícones do pop/rock, como David Bowie, Michael Jackson, Madonna, um deles, o Queen, foi um diferencial em sua carreira. O produtor musical Rob Fusari, coautor de suas primeiras canções, cantarolava a música Radio Ga Ga sempre que a cantora chegava ao estúdio em Nova Jersey.  Até que um dia Fusari  a chamou, sem querer, de Radio Ga Ga. Ela gostou do “erro”, e nasceu ali seu nome artístico: Lady Gaga.

Dona de qualidades vocais muito bem definidas, com precisa afinação, timbre e de grande extensão, em 2008, já morando em Los Angeles e com um comportamento provocativo, seja pelas atitudes controversas, seja pela excentricidade em seu figurino, Lady Gaga lança seu primeiro álbum, The Fame, uma miscelânea de música eletrônica, rock and roll e pop, que foi muito bem recebido pela crítica. Com um enorme sucesso comercial, alcança o primeiro lugar em vendas na América e na Europa. Consegue, também, sete indicações para o Grammy Awards, dos quais conquistou dois prêmios.

Com uma carreira muito bem-sucedida ao longo dos anos, mais de vinte e cinco milhões de discos vendidos e inúmeras premiações como cantora e pelas suas performances em vídeos,  Gaga mostra o seu lado B como intérprete ao lançar, em 2014, ao lado de Tony Bennett, “Cheek to Cheek”,  álbum recheado de standards americanos, mostrando uma versatilidade até então desconhecida pelos fãs. O dueto com Bennett faz dela uma nova diva, agora, do jazz.

No ano seguinte, Gaga emocionou o mundo com sua apresentação no Oscar 2015 ao cantar “The Sound of Music”, seguida de um medley de outras canções do filme, na justa homenagem pelo cinquentenário  do musical “A Noviça Rebelde”, que teve como protagonistas Julie Andrews e Christopher Plummer.  No final da apresentação, Andrews, aplaudida de pé, agradeceu por ter sido tão bem representada.

Agora a cantora está brilhando na quarta edição do filme Nasce uma estrela. No longa, Jackson Maine, cantor vivido por Bradley Cooper, que também dirige o filme, encontra Ally (Lady Gaga), uma cantora não muito bem resolvida que trabalha num bar. Após vê-la em ação e ficar encantado, Jackson decide ajudá-la a chegar ao estrelato. Com uma voz estonteante e uma belíssima interpretação, Gaga reluz de cara limpa, bonita, muito longe da forma extravagante que pontuou sua carreira até então.

E ela não para. Retomou o jazz, interpretando um cover de “Don’t Let Me Be Misunderstood”, de Nina Simone, faixa do novo álbum do trompetista Brian Newman, seu velho amigo desde os tempos de dançarina.

Para o próximo ano, Lady Gaga prepara dois shows: um com os grandes sucessos de sua carreira, e outro, “Piano”, dedicado a diversos clássicos da música norte-americana. Vida longa à nova Lady Gaga, diva do pop e do jazz.

Deixe seu comentário