No livro “Generalização da periodicidade: um estudo sobre Apostrophe et six réflexions de Henri Posseur”, disponível no acervo digital da Editora Unesp, o pesquisador musical Rodolfo Augusto Daniel Vaz Valente debruça-se sobre a obra do compositor belga Henri Pousseur (1929-2009), ainda pouco conhecido no Brasil, mas que foi um dos principais expoentes da música contemporânea europeia ao lado de Luciano Berio, Karlheinz Stockhausen e Pierre Boulez.

Valente – que é mestre em Música pela Unesp, por onde obteve também habilitação em Composição e Regência, com ênfase em Composição e Composição Eletroacústica – discute, principalmente, a contribuição de Pousseur para a revisão teórica do serialismo, já que este recupera, no âmbito da música serial, a noção de periodicidade (ou fraseolgia regular), que havia sido banida das experiências iniciais do serialismo em nome do princípio basilar da não repetição.

Pousseur estava convencido de que era necessário retomar em alguma medida a periodicidade das estruturas. Chegou mesmo a experimentar a sua teoria na música eletrônica e a recorrer à teoria ondulatória proveniente da Acústica para repensar o discurso musical, especialmente no terreno da organização das durações.

O autor também aborda a periodicidade conforme os preceitos de Abraham Moles, um dos principais teóricos da Teoria da Informação e que teve grande influência sobre o trabalho de Pousseur. Analisa ainda a obra “Apostrophe et six réflexions”, escrita pelo compositor na época em este que formulou o conceito de “periodicidade generalizada”, como chamou a fraseologia do serialismo revisado que  já não recorria às estruturas musicais essencialmente não periódicas.